Notícia publicada quinta-feira, 26 de outubro de 2017

O GESTOS GROSSEIROS já está em casa e celebra mais uma bem-sucedida parte de sua ‘Turnê da Hipocrisia’, que já passou pela Europa e por todo o Brasil e logo irá para a América do Sul.

Para nos contar sobre tudo que aconteceu de positivo – e negativo – a banda publica um grande e completo texto sobre toda a turnê. Leia:

“Saudações! Bem vindos a turnê da hipocrisia!

“Após as turnês pela Europa (junho 2017), Sudeste, Sul e Centro Oeste (agosto, setembro 2017), chegava a hora de encarar a terceira turnê do ano, que ocorreria pelas regiões Nordeste e Norte do Brasil. Uma turnê que foi negociada desde fevereiro, nos mínimos detalhes, e estávamos ansiosos, pois sabíamos da responsabilidade que teríamos e que não seria fácil, pois 66,3% das viagens ocorreriam de avião, já que as distâncias entre as cidades não permitiam que fôssemos por terrestre devido ao tempo para chegar de um show a outro ou, por não existir estradas para o deslocamento, como é o caso entre as cidades de Macapá e Belém.

“Dia 6 de outubro embarcamos de Guarulhos para Recife, às 6h30min. Por volta das 9h30min, o irmão Cesar da Paganus Produções nos recepcionou no aeroporto de Recife. Nos levou até a rodoviária, onde almoçamos e embarcamos num ônibus que levou a banda para a cidade que ocorreu o primeiro show, em Surubim/PE. Vale ressaltar que o Cesar organizaria o show em Recife no dia 7, mas por problemas de saúde, ele optou por encaixar a banda no Hammer Fest, na cidade de Santa Cruz do Capibaribe/PE. Ou seja, quando a pessoa é profissional e comprometida, tenta fazer acontecer e foi o que o Cesar fez, mesmo não podendo organizar mais o show em Recife, deu todo suporte para a banda. Parabéns, Cesar e melhoras!
A viagem de Recife até Surubim levou aproximadamente 3h30min, chegamos cansados e fomos para o hotel descansar. Fomos recepcionados pelo irmão Denis, um dos organizadores. O show aconteceu na sede do moto clube Lobos do Asfalto, onde somente nós tocamos, mas o grande público nos surpreendeu, pois conheciam a banda, conheciam as músicas da banda e ficamos mais surpresos quando, ao término da última música, pediram bis e sabiam que as vezes, o nosso bis era a música Extreme Aggression do Kreator, uma versão da Gestos Grosseiros que foi registrada no segundo álbum da banda, Satanchandising.

“Os organizadores Dênis Coelho e Andre disseram que pretendem organizar mais eventos por Surubim e colocar a cidade como uma rota para as bandas que irão fazer turnê pelo Nordeste. Estão de parabéns pela organização, hospitalidade e todo suporte. Obrigado!

“Dia 7 foi uma aventura a parte, pois precisávamos chegar em Santa Cruz do Capibaribe a tarde, mas só tinha ônibus no início da noite entre Surubim e Sta Cruz. Então, o plano foi ir com um transporte denominado de Toyota, uma espécie de lotação aqui em Guarulhos. Os organizadores ficaram preocupados, pois uma banda viajar em um Toyota com várias bagagens, não seria algo comum. Mas, em turnê é assim, ou encara ou fica em casa. E foi o que fizemos, embarcamos na Toyota por volta das 12h e foi, diga-se de passagem, um dos melhores momentos de descontração da turnê. Pudemos apreciar as paisagens entre Surubim e Sta Cruz. O legal foi que a Toyota nos levou direto para o hotel, onde produtor Nidislei Costa recepcionou a banda e já levou para um almoço.

“Tivemos a honra de tocar no único festival anual de Santa Cruz do Capibaribe, em Pernambuco, dividindo o palco com 5 bandas excelentes, dentre elas o War Cursed, de Campina Grande, Paraíba. Deixamos aqui o agradecimento para os caras do War Cursed, simpatia e humildade, pois deram suporte no nosso show e emprestaram toda a ferragem de bateria. Valeu, Marsell Senko! Tocamos bem tarde no Hammer Fest, mas o público insano por Metal, ficou até o final e agitou durante todo o nosso set list. Claro que teve Bis.

“No dia seguinte, partimos para João Pessoa, Paraíba. Se não fosse a correria do organizador Nidislei em nos arrumar um carro para ir até João Pessoa, teríamos que fazer uma verdadeira maratona de ônibus e chegaríamos em cima da hora. Mas deu tudo certo e chegamos em João Pessoa por volta das 15h. Aguardamos uns minutinhos e o organizador Mauro (que também é da banda Necrohunter), recepcionou a banda. O show não estava lotado, por ser num domingo, mas o público que compareceu agitou, comprou merchandising e nos cobrou para voltar em breve. Podem ter a certeza que voltaremos.

“Dia 9 começaria a maratona pelos aeroportos malditos, malditos pelo seguinte fato: os funcionários não sabem dar informações certeiras, principalmente funcionários das empresas aéreas, as quais cada hora falavam uma coisa no que diz respeito as bagagens que a banda levava. Viajamos 9 noves de avião nessa turnê, e nas 9 vezes teve treta. Até bagagem nossa foi extraviada, (pela Latam), até a Polícia Federal foi chamada para a banda (já em Guarulhos). Esses funcionários precisam entender que instrumentos, além de caros, são frágeis, não podem e nem devem ser jogados de qualquer jeito.

“Saímos de João Pessoa às 15h30min, demos uma passadinha em Brasília e tivemos 5h45min de conexão, até embarcamos no voo de Brasília para Macapá, onde chegamos na madrugada e fomos recebidos pelo produtor Romerito Miranda. O show de Macapá foi um dos mais insanos de toda turnê, tocamos no Bar do Pop, lotado. Praticamente vendemos todas as camisetas em Macapá. Dica para quem for tocar em Macapá: se prepare para o calor. Não temos palavras suficientes para agradecer o carinho dos fãs de lá, não tínhamos noção do quanto as pessoas gostavam da banda em Macapá.

“Dia seguinte, correria para Belém. Voo rápido, 40min aproximadamente, e o grande irmão Hugo, da banda Thunder Spell foi ao aeroporto nos buscar. Hotel, somente para um banho rápido e, em seguida, fomos para o local do show.

“O público compareceu em massa e, num piscar de olhos, os bangers de Belém fizeram esgotar as nossas camisetas. Isto significaria que os fãs de Rio Branco e Porto Velho ficariam sem camisetas. Assim como em Macapá, o show de Belém lotou e também destacamos o calor que estava por lá.

“Bom, agora, uma pausa de shows, para um fato desagradável. Quando se organiza uma turnê, a banda conta com a palavra (todos do Underground sabem disso, ou deveriam saber) de cada produtor. Funciona assim: produtor da cidade X, compra as passagens para a cidade Y.. produtor da cidade Y, compra as passagens para a cidade Z.. e assim por diante). Já sabíamos que o produtor de Manaus havia cancelado o show do dia 13, o que complicou, pois, para a banda chegar em Rio Branco, estava contando com as passagens de Manaus. Sabemos que os custos são altos e, muitas vezes, fazemos acordos, pois temos consciência do sacrifício que é para organizar um show. Mas também, não podemos aceitar que um produtor cancele o show depois de estar tudo okay por parte da banda e dos outros produtores, prejudicando não só a banda, mas também os outros. E foi isso o que aconteceu. Tivemos que arcar com 100% das passagens para Rio Branco, ou teríamos que cancelar toda a turnê, prejudicando todos os outros produtores que já haviam comprados outras passagens. Não achamos isso justo, e resolvemos encarar. O problema não é nem cancelar o show, mas cumprir com a palavra e pelo menos arcar com parte dos gastos. Mas não foi o que vimos por parte do produtor de Manaus. Não vamos entrar em detalhes, mas bater no peito dizendo que é Underground , isso e aquilo, é fácil, mas acima do Underground, estão pessoas envolvidas que dependeram da sua palavra. Sentimos muito, pois foi a segunda vez que esse mesmo produtor cancelou um show nosso por lá. Infelizmente, a banda não irá mais se apresentar em Manaus. Enfim, a banda está aberta para esclarecer dúvidas sobre o cancelamento de Manaus, recebemos muitas mensagens de pessoas que queriam nos ver, perguntando o motivo do cancelamento. Isso deveria ter sido feito a nível nacional por parte da produção. Nós, da banda Gestos Grosseiros, não iremos ficar calados com produtores RIP OFF, mesmo que tenham mais de duas décadas na cena.

“Por fim, fomos para Rio Branco onde tocamos no dia 14 no ótimo Studio Beer, com a organização do Igor (PI produções) e suporte do Bala (Studio Beer). Foi a primeira vez da banda em Rio Branco, no Acre, e foi gratificante a recepção dos fãs. Tivemos todo suporte por parte da organização e recomendamos que mais bandas de todo Brasil tentam tocar por lá.
Dormimos pouco e logo cedo embarcamos no voo para Porto Velho, em Rondônia. Esse show foi diferente, especial, pois após anos, iríamos nos apresentar em um evento ao ar livre. Desde o início das negociações com os organizadores Newton e Marcondes, fomos informados por eles da dificuldade em organizar um evento por lá. Mas, esses dois irmãos fizeram a diferença, conseguiram parcerias e apoio da prefeitura e fizeram um evento maravilhoso, com suporte total, do início ao fim. O evento foi num domingo e tocamos por volta das 22h30min. E o público? Foi embora? NADA DISSO! Porto Velho ficou em massa para nos assistir, foi um show memorável. Após o show, não conseguíamos guardar os instrumentos, pois as pessoas faziam questão de irem nos cumprimentar. Pra nós, ficou claro que, quando banda e organização se unem, a coisa sai, e sai bem feita. Porto Velho, nosso muito obrigado e podemos dizer que o show do dia 15 de outubro de 2017, foi um dos melhores da nossa carreira.

“Pela frente teríamos mais 3 shows, sendo nas cidades de Fortaleza/CE, Mossoró/RN e Campina Grande/PB. Infelizmente, por motivos financeiros oriundos pelo furo do produtor de Manaus/AM, foi preciso cancelar esses três shows. Pedimos desculpas para as pessoas que queriam nos assistir, mas algumas coisas não dependeram exclusivamente da banda.

“Deixamos aqui o nosso agradecimento aos fãs, amigos e a todos os organizadores, sem os quais não seria possível ter feito essa turnê. Ahhh… se todos os organizadores fossem comprometidos, dedicados e respeitosos como os irmãos Cesar (Recife/PE), Dênis e Andre (Surubim/PE), Nidislei (Santa Cruz do Capibaribe/PE), Mauro (João Pessoa/PB), Romerito (Macapá/AP), Hugo (Belém/PA), Igor e Bala (Rio Branco/AC), Newton e Marcondes (Porto Velho/RO), Gino e Fabrício (Fortaleza/CE), Marcondes (Mossoró/RN) e Diego (Campina Grande/PB).

“A banda Gestos Grosseiros tem orgulho do Metal nacional e da cena a qual pertence. Antes de falar da cena, viaje, caia na estrada, conheça a cena e veja que o Metal é mais forte do que redes sociais. A rede social é uma ferramenta forte para divulgação, mas o Metal, ainda é olho a olho.

“Obrigado! Kleber Hora (guitarra) / Edu Ossuco (baixo) / Andy Souza (bateria e voz)”

Uma galeria com fotos da turnê também foi liberada:

macapc3a1

Picture 1 of 7

Mais shows estão sendo preparados e colocados na agenda do GESTOS GROSSEIROS!

O GESTOS GROSSEIROS liberou em seu canal todos os seus discos. Estão disponíveis o debut ‘Countdown to Kill’ de 2008, o visceral ‘Satanchandising’ de 2011 e o recém lançado ‘World’s Hypocrisy’, disco que vem sendo celebrado como o ápice dos quase 20 anos da banda. Ouça:

‘Countdown to Kill’: https://goo.gl/gCZkJM

‘Satanchandising’: https://goo.gl/WHeBex

‘World’s Hypocrisy’: https://goo.gl/mWeXme

Contato: gestosgrosseirosband@gmail.com

Sites Relacionados:
www.facebook.com/gestosgrosseiros
www.metalmedia.com.br/gestosgrosseiros