Notícia publicada segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Chegando a metade da turnê europeia a banda RED FRONT nos brinda com mais um diário de turnê, englobando do décimo ao décimo oitavo dia de viagens.

10º Dia (25/01):

21 horas de viagem chegamos a Tilburg, cansados, famintos e muito putos da vida com os malditos poloneses pela pior viagem dessa tour, saímos de Kranj na Eslovênia atravessamos a Áustria, Alemanha, um pedaço da Bélgica até enfim chegar na maldita Holanda. Tilburg é uma pequena cidade do sul da Holanda, o que mais impressiona é a organização da cidade, você pode comprar uma garrafa de refrigerante de marca própria do Super Mercado X por 0,29 centavos de euro, se você devolver a garrafa ao Mercado você consegue ganha 0,25 centavos de euro, o melhor é que o refrigerante é tão bom como uma Dolly ou uma Tubaína, simplesmente genial!
Chegamos bem cedo a cidade, conhecemos o centro comercial e comemos um MC Donald´s (o primeiro da viagem) para enganar a fome e poder usar o WiFi, esperamos até as 4 horas da tarde para encontrar Marco, um Metal Head daqueles mais fanáticos, em todos os cantos de sua casa você podia achar CD’s e Vinis de bandas do mundo todo, conversamos muito sobre o metal holandês e o metal brasileiro, Marco nos deu a dica para ir ao Super Mercado e comprar apenas esses produtos mais baratos e também o endereço do Coffee Shop da cidade, estávamos a mais de 26 horas sem dormir e sem comer alguma coisa descente, o mundo parecia que ia cair nas nossas cabeças, nada melhor do que ir até um Coffee Shop fumar um baseado e simplesmente esquecer de todos esses problemas. A experiência no Coffee Shop foi a melhor possível, todos estavam muito felizes de poder fumar um baseado na Holanda sem medo de policia encher o saco ou qualquer tipo de repressão, foi só acender, relaxar e tentar encontrar a casa do Marco de novo.

11º Dia (26/01):

Depois de recuperar todas as energias com um bom baseado e uma boa noite de sono o segundo dia em Tilburg, foi voltado a conhecer melhor a cidade, a cena metal da Holanda e da Bélgica, nossos amigos poloneses não tem muita grana para nos acompanhar nos passeios (muito obrigado barraquinha de merchandise, por nos abastecer financeiramente!) então eles acabaram ficando na casa do Marco, comendo batatas fritas e bebendo cervejas. Pegamos um ônibus até a Bélgica para conhecer uma loja chamada Metal Zone, a maior do país no segmento Heavy Metal, ficamos perdidos no meio de tantos CD’s de bandas europeias e americanas (aqui você encontra todo o tipo de material de uma banda que nunca vai chegar ao Brasil), conhecemos o dono da loja e conseguimos firmar uma parceria com ele, deixamos 25 CD’s do RED FRONT com ele para serem distribuídos nas lojas da Metal Zone pela Europa, em troca ganhamos 25 CD’s do selo da Metal Zone.
De noite fomos conhecer o bar de Metal mais famoso de Tilburg, o Little Devil, esse bar já foi palco de grandes shows como Blaze Bayley e Devil Driver, distribuímos mais Demos pra galera e voltamos para casa do Marco para ver um pouco do seu acervo de vídeos dos anos 80, o cara é foda, tem gravações históricas de bandas como Iron Maiden, Metallica, Anthrax e Thin Lizzy. Depois dessa maratona Metal descansamos bem, porque Amsterdam seria nosso próximo destino.

12º Dia (27/01):

Amsterdam definitivamente é a capital de tudo o que há de melhor no mundo, saímos cedo de Tilburg e dirigimos mais ou menos 120km até Amsterdam, logo que paramos a van olhamos para o lado direito da rua e vimos o Museu da Heineken, não teve o que discutir essa foi nossa primeira parada, conhecemos todo a história da melhor cerveja do mundo e seu processo de fabricação, ganhamos muita cerveja de graça por todo o percurso e no final compramos uma garrafa personalizada de Heineken escrita RED FRONT.
Depois de conhecer o templo da melhor cerveja do mundo foi a vez de buscar a Red Street, foi uma boa caminhada até lá, mas só de ver aquele monte de putas nas vitrines valeu a pena dirigir 1200km da Eslovênia até esse paraíso na terra. Tenho que dizer a vocês que a qualidade da mercadoria não muda em nada ao que podemos encontrar na Rua Augusta, mas o glamour da cidade é que dá toda a graça de ficar lá vendo as meninas nas vitrines, por onde você anda são Sex Shops, garotas de programa e Coffee Shops, não é difícil de prever que a próxima parada foi um verdadeiro Coffee Shop de Amsterdam. Malandro eu não tenho palavras para descrever o quanto a maconha de Amsterdam é boa e de como a viagem que ela te proporciona é suave, se algum dia você for a Amsterdam, por mais careta que seja, não deixe de entrar em um Coffe Shop e fumar um baseado. No caminho para van ainda conseguimos encontrar uma loja de CD’s para matar toda nossa ânsia consumista (deus abençoe o merchandise!), resumindo, um dia perfeito.

13º Dia (28/01):

Já era quase meia noite quando chegamos ao porto de Calais para pegar a balsa que nos levaria a Inglaterra, como já imaginávamos fomos parados na imigração para verificação dos nossos passaportes e para a entrevista sobre o porquê queríamos entrar no Reino Unido, na nossa cabeça tudo estava certo em relação à documentação necessária para entrar no país, foi então que a bomba caiu sobre a nossa cabeça. De cara o oficial da imigração nos disse que a carta convite que nos foi enviada pelo promotor do show estava com varias informações erradas, eles nos perguntaram sobre onde íamos tocar, nome do evento, produtora e etc, na hora de ligar para promotor e confirmar as informações que nós passamos o cara simplesmente sumiu e resolveu não atender ao celular, moral da história: Ficamos parados mais de 6 horas em Calais, parados não, nós fomos presos em Calais, fichados e só pudemos sair da imigração sob acompanhamento da polícia francesa. Pelo menos fomos muito bem tratados pela polícia inglesa e francesa, eles perceberam que nós não estávamos tentando entrar ilegalmente no Reino Unido, só que não tivemos a ajuda necessária e a instrução certa para lidar com os documentos e a situação.
Não tivemos nenhum problema grave até agora na tour, o primeiro promotor de show BRASILEIRO que nós pegamos pelo caminho acabou fodendo com a gente, mas tudo bem ainda temos mais 10 shows para mostrar a Europa quem é o RED FRONT. Depois de toda essa confusão a única alternativa foi procurar um hotel bem barato em Calais e aguardara volta dos caras do HeadBanger.

14º Dia (29/01):

Calais é um cú de mundo, um porto no extremo norte da França, ela é a cidade francesa mais próxima da Inglaterra, com pouco mais de 15 mil habitantes. Vocês já devem estar imaginando o que nós fizemos lá por 2 dias não é? Jogaram baralho? Comeram frutos do mar? Passearam de bicicleta na orla? Nada disso, arranjamos um hotel bem barato com internet, atualizamos o Orkut e o Twitter e quando o tedio nos consumia por dentro fumávamos o resto da maconha que compramos em Amsterdam, boas risadas e vídeos engraçados nós conseguimos retirar da ‘prisão de Calais’. Quando a fome apertava nós íamos ao Mc Donald’s que ficava na frente do hotel, esse era nosso passeio mais emocionante do dia, depois voltávamos ao hotel para fumar mais unzinho e voltávamos doidos e laricados para o Mc Donald’s, as atendentes de lá já não nos suportavam mais (risos).

15º Dia (30/01):

Nossa estadia em Calais acabou, finalmente os caras do HeadBanger voltaram da Inglaterra trazendo novidades tristes, o primeiro show não tinha sido como eles esperavam e o segundo foi cancelado sem que ninguém tenha avisado nenhuma das bandas participantes do evento, o jeito foi jogar tudo na van as pressas e voar para Rennes que fica a 800km de Calais.
Chegando em Rennes o tratamento foi o melhor possível, o bar chamava Mondo Bizarro e tinha uma equipe e uma aparelhagem de primeira para o show, no camarim descobrimos caixas e mais caixas de cerveja para as 3 bandas que iam tocar, além de queijos, pães e tortas pra matar a fome, um pouco antes do nosso show começar recebemos no camarim um cara que tinha um programa de rádio na cidade, ele disse que nossa música tocou o mês todo por lá e que uma emissora de rádio nacional também tocou nosso som, com esse tipo de incentivo o show tinha que ser destruidor e mais uma vez a galera representou, em pleno domingo a casa estava cheia e a galera agitou muito com o RED FRONT e também com o HeadBanger. Nesse show conhecemos pessoas de várias partes de Europa e também da África e Ásia, todos parabenizaram muito o som das banda e disseram que em Paris as coisas iam pegar fogo com a nossa música. Vamos ver como vai ser a destruição por lá!

afront02

Picture 2 of 11

16º Dia (31/01):

Nesse ‘Day Off’ Radoslav resolveu dirigir em direção a Marselha, uma das mais ricas cidades do sul da França, temos dois dias para chegar lá para o show, nossa meta era percorrer 500km em um dia e mais 500km no outro, hoje conseguimos cumprir o previsto mas com uma marca invejável, fizemos 500km em 11 horas. Parece que pra esses caras ‘Day Off’ significa ‘Day in the Van’, paramos só para comer e para mijar, não era bem esse tipo de turismo que eu e meus companheiros imaginávamos para os dias de folga (risos).

17º Dia (01/02):

Tivemos que assumir de vez a direção da van para conseguir chegar a tempo no show em Marselha, Oscar foi dirigindo e tudo correu bem dessa vez, os caras do HeadBanger foram enchendo a cara no banco de traz da van e nós sentando o pé na estrada. O único problema dessa vez foi para achar o local do show, mesmo com 2 GPS na van nós não conseguíamos achar o endereço de jeito nenhum, andamos das 6 horas da tarde até as 8 e meia da noite por Marselha e nada de descobrir onde o maldito ‘Le Local’ ficava, quando tudo parecia perdido fomos pedir informação para um cara na rua, ele resolveu pegar o telefone que nós tínhamos do organizador e ligar para ele pedindo para alguém nos buscar, o pior foi descobrir que o bar ficava a menos de dois minutos do lugar onde estávamos.
Chegando lá uma deliciosa feijoada de lentilha nos esperava como jantar, até agora essa foi a comida mais próxima da brasileira que nós conseguimos encontrar, dessa vez tivemos que tomar conta da entrada e cobrar a galera que ia entrando no bar, de inicio achamos bem estranho ter que fazer isso, mas foi divertido todos que chegavam no bar perguntavam “Vocês são os caras do Brasil?” foi uma ótima forma de já cativar a galera a galera para o nosso show, além de montar a lojinha na entrada da balada e já empurrar uns CDs para os gringos.
Eu fico impressionado como no meio da semana a galera sai de casa aqui na Europa para prestigiar os shows, claro que no fim de semana que a parada bomba, mas mesmo de terça, quarta ou segunda feira os bangers vão aos bares para tomar uma cerveja, conversar e curtir o happy hour, é realmente impressionante, fomos a última banda a tocar na numa terça feira fria e a casa estava mais cheia. O show foi muito bom e a galera elogiou muito nosso som, depois do show um cara veio conversar com a banda para dizer que realmente os brasileiros são os melhores na arte do Thrash Metal, ele disse que já tinha assistido shows de bandas como Sepultura, Violator e Torture Squad e que depois de ter visto nosso show ele tinha certeza que o melhor Thrash do mundo vem do Brasil!

001

Picture 1 of 9


18º Dia (02/02):

Conhecemos a Catedral de Marselha, um santuário que fica no ponto mais alto da cidade com um mirante que nos permite ter uma visão de toda Marselha e do Mar Mediterrâneo, finalmente tivemos um ‘Day Off’ tão bom quanto o de Amsterdam, foi muito bom conseguir dar uma de turista brasileiro tirar muitas fotos e relaxar um pouco. O plano agora é dirigir a noite toda e chegar de madrugada em Paris para poder aproveitar da melhor forma possível a cidade, porque se em Marselha já foi bom imagina como vai ser um rolé pela cidade luz!

Se você não tem acompanhado o Diário de Turnê seguem os links:
1º Tour Report: http://metalmedia.com.br/newspress_br/?p=3141
2º Tour Report: http://metalmedia.com.br/newspress_br/?p=3262

Para conhecer mais sobre o RED FRONT e agendar shows, acesse:
www.redfront.com.br

Sites Relacionados:
www.myspace.com/bandaredfront
www.metalmedia.com.br/redfront