Notícia publicada sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Vindos da belíssima cidade de Belo Horizonte e contando com aquele carisma típico que só os mineiros tem, os músicos da banda SACRIFICED vão trilhando seu caminho através das duras pedras do Metal nacional. Nesse bate papo que tivemos com o o baixista Bruno Bavose, ele falou sobre o ano passado, o começo do ano e o futuro da banda. Enjoy!

Como vocês avaliam o ano de 2010 para o Sacrificed?
Bruno Bavose: Primeiramente gostaria de agradecer a oportunidade de estarmos aqui. Bem, o ano de 2010 foi muito cheio para a Sacrificed, tivemos várias datas até o terceiro trimestre do ano pela capital mineira, interior e algumas fora do estado divulgando o EP auto-intitulado lançado no segundo semestre de 2009 e paralelamente produzimos o primeiro CD full-length da banda que será intitulado The Path Of Reflections. Tivemos também algumas turbulências com relação a integrantes depois da saída do antigo baterista Gustavo Neves contamos com o apoio de Manfredo, Thales Piassi e Jefinho Knife.

O CD Demo foi muito bem aceito não só pelo público como pela mídia especializada, sendo a música “Call of Insanity” sempre elogiada. Poderiamos dizer que ela virou um hit da banda? Como se deu sua criação?
Bruno Bavose: (risos) Realmente Call Of Insanity sempre recebeu muitos elogios do público e critica, ela é uma música bem intensa e dinâmica, o que a torna uma música agradável de se ouvir, normalmente é uma das primeiras músicas do show, fazemos isso para o público já desde o início sentir toda a energia que a banda tem a oferecer. Sua criação partiu de riffs pesados e rápidos bem anos 90 porém com uma pegada mais swingada e Slaps de baixo, o que não é muito comum no Metal mas que deu um toque especial a música.

O Sacrificed é uma banda que está sempre se movimentando, foram vários shows só nesse último ano. Há alguma turnê em vista?
Bruno Bavose: Sim, estamos já procurando produtores musicais, principalmente do interior de Minas como Cataguases, Alfenas, Lavras, São João Del Rei e São Paulo, Capital, Rio Claro, Franca entre outras cidades que são os locais onde nosso som tem mais repercutido, e é claro em outros estados onde não somos tão conhecidos para divulgar nosso CD durante todo o ano, e como todo ano fazemos, devemos participar de bastante festivais.

O som do Sacrificed é uma mistura que funciona muito bem. Quais as influências da banda?
Bruno Bavose: Temos várias influências de diversas vertentes do Metal, como Metalcore, Heavy 80´, Rock´N Roll e Metal Progressivo, já as bandas que temos como maior influência são Lamb Of God, Megadeth, Metallica, Lacuna Coil, Killswitch Engage e Epica, procuramos tomar elas como inspiração e não como base propriamente dita, e a mistura dessas inspirações fazem do som da banda Sacrificed algo único e com personalidade muito forte.

Belo Horizonte é tido como o berço do Metal Extremo do Brasil. Essa afirmativa se torna um peso a mais na banda ou em nada influencia todo o processo?
Bruno Bavose: Influencia a banda sim, pois querendo ou não as pessoas quando falam de Belo Horizonte lembram de bandas como Sarcasmo, Sepultura, Overdose, Pathologic Noise, Sextrash, Witchhammer, Hammurabi, Holocausto, Lustful entre dezenas de outras, então quando falamos de um som mais voltado pro Heavy e Prog, as pessoas não crêem que seja tão bom quando as bandas de Extremo, por isso temos maior repercussão fora de BH do que propriamente na nossa cidade. Devo ressaltar também que isso não é desagradável, na verdade é um orgulho sermos belo-horizontinos e participarmos de certa forma de toda essa história.

Quando se fala em vocalista feminina, logo se associa à volcalistas de bandas góticas, no entanto a Kell Hell foge a essa regra, com um vocal forte e agressivo. Como se deu a idéia de colocar uma mulher para assumir o microfone?
Bruno Bavose: Com a saída do nosso antigo vocalista Binho, queríamos algo diferente, moderno, novo, queríamos chamar atenção para o nosso som. Mas para encontrá-la precisamos de sorte também, havíamos feito alguns shows com a Helltown, antiga banda da Kell e apaixonamos com seus vocais, que são como você disse, forte e agressivos e sem nenhuma influência gótica, quem não era nosso foco. Poucos dias depois de um show com a Helltown em Cataguases fizemos a proposta de um teste e como já esperávamos deu tudo certo e ela se tornou a partir daquele momento nossa Frontwoman.

Foi anunciado que vocês lançariam um CD no final do ano, a que se deve o atraso? Qual a nova previsão de lançamento?
Bruno Bavose: Bem, nosso produtor Renato Kojima teve alguns problemas de saúde, vemos algumas turbulências com integrantes, e quando finalmente nos estabilizamos estávamos já no final de novembro, e por decisão da assessoria da banda decidimos adiar propositalmente para fevereiro de 2011, onde daí poderemos trabalhar o ano inteiro para a divulgação do nosso novo trabalho que devo ressaltar está muito bem feito e com muita personalidade .

Agradeceços a participação, usem o espaço abaixo para deixar uma mensagem ao público.
Bruno Bavose: Nós que agradecemos a oportunidade  e agradecemos o público e nossos fãs que são muito fiéis e nos apóiam sempre e contribuem em muito na nossa jornada! Aguardem Sacrificed 2011 com várias novidades e um show totalmente novo para vocês.

Contato para shows: assessoria@sacrificed.com.br

Sites Relacionados:
www.myspace.com/sacrificedbrazil
www.sacrificed.com.br
www.metalmedia.com.br/sacrificed
www.twitter.com/sacrificed_band